Ma'an News Agency

De Wikinet
Ir para: navegação, pesquisa

A Palestina nem mesmo é um país, os caras não tem nem um território próprio, tem dois pedaços de merda terra (a Faixa de Gaza e a Cisjordânia), separados por Israel, e administrados por grupos diferentes e que se odeiam, só não se odeiam mais e saem se matando porque é muito mais divertido matar israelense.

No entanto, existe Internet na Palestina, e, se existe Internet, então a Alexa ranqueia seu uso. Na Palestina, os quatro primeiros sites são as merdas internacionais de sempre: em Janeiro de 2013, eram Caralivro, Google versão palestina, YouTube e Google de novo.

O quinto site, ou seja, o que é de fato o primeiro site palestino, é o site de notícias Ma'an News Agency, http://maannews.net/eng/Default.aspx , que tem esta versão, em inglês, uma versão em árabe,[1] e, por incrível que pareça, uma versão em hebraico.[2]

Um pouco de história sobre eles:[3] o grupo Ma'an Network foi criado em 2002 como uma forma de dar liberdade de expressão aos palestinos,[3] uma coisa bem difícil, porque, no Oriente Médio, o único país razoavelmente democrático seria Israel, porém com a pitada de escrotidão de que a maioria da população que vivia em Israel, os palestinos, eram tratados como estrangeiros.[4] Como não dá para esperar dinheiro dos outros árabes para financiar alguma coisa livre, nem dá para esperar dinheiro de judeus para... para... porra, não dá para esperar dinheiro de judeu para nada, o grupo foi financiado com grana dos maconheiros holandeses, através da Autoridade Palestina (um dos dois grupos que brigam para ver quem manda nesta porra).[3]

O site Ma'an News Agency foi criado em 2005, e, segundo eles mesmos (e segundo a Alexa) é um dos sites mais visitados pelos palestinos, dando notícias 24 horas por dia sobre assuntos que interessam a eles, com, em média, 3 milhões de visitas por mês.[3]

O nome Ma'an é o nome de uma cidade da Jordânia, mas também quer dizer juntos em árabe, então foda-se, não dá para dizer se quiseram dar o nome da cidade (por algum motivo qualquer) ou se quiseram dar o nome por causa da palavra árabe.

É claro que, para nós, vivendo no conforto de nosso paraíso tropical ou em uma terrinha que não conhece guerra há quase 200 anos, e que usamos a Internet apenas para procurar putaria, o site é uma merda. Qual é a importância de saber que os refugiados da guerra civil da Síria sofrem violência sexual,[5] ou que Israel invadiu, de novo, o território palestino para matar mais palestinos?[6] Ninguém se importa, não é nosso problema, a gente só liga para eles quando eles fazem alguma cagada e fazem o preço da gasolina subir.

Mas o site não tem só estas bobagens sem importância, tem outras coisas também irrelevantes, como quando fala da cultura palestina,[7] e da economia palestina.[8] Qual é a graça disto? É muito mais importante pesquisar sobre cultura e economia da República Checa, a primeira representada pelas teens e a segunda representada por quanto elas cobram por um programa.

Aliás, por falar em teen, eles tem uma notícia que fala sobre o assunto: Medics: Israeli army kills teen in Budrus clashes.[9] Ou seja, o site é uma merda, porque até mesmo na hora de usar a terminologia de sites de putaria, eles ficam falando de gore.

Melhor nem passar perto deste site.

Referências

Ver também